Projeto de extensão 

Este projeto de extensão intitula-se UFFamília, Seminário de Extensão para valorização da rede de apoio familiar para a compreensão das transformações pelas quais os jovens adultos passam na universidade. 

 

Como sabemos, a universidade tem sido colocada em xeque. O desconhecimento sobre o que se faz na universidade é compreensível. Os alunos são deixados pelos familiares na universidade no momento da inscrição e retornam para vê-los sair com o diploma. Muitos alunos são os primeiros da família a terem acesso ao diploma universitário.

 

Numa universidade holandesa, os pesquisadores devem abrir um dia do ano para apresentar os laboratórios e pesquisas para a comunidade. E os familiares dos nossos alunos são fundamentais para a sua permanência como membros da comunidade acadêmica. 

 

Percebi que no discurso sobre "quem somos, o que fazemos e o que devem esperar de nós”, nas formaturas, tem um efeito nos familiares que reconhecem o trabalho e sempre vêm me cumprimentar e agradecer.

 

Na faculdade, os alunos se transformam. Ocorre eventualmente rupturas da religião, da sexualidade e eles aprendem sobre o mundo a sua volta com todas suas contradições violentas da vida metropolitana. A família sente a transformação de suas filhas e filhos. Os dilemas da convivência entre diferentes se apresenta muita vezes neste momento. Já tive a experiência de alunas e alunos que romperam com as famílias, saíram de casa e isto produziu muito sofrimento inútil. Daí eles perdem sua principal (muitas vezes a única) rede de apoio. Os efeitos no rendimento, frequência e evasão são algumas das consequências, mas também o sofrimento psíquico com as depressões e até casos de suicídio. 

Os familiares de nossas alunas e nossos alunos recebem notícias sobre a universidade que não compreendem. As fake news são mais fáceis de se desconstruir, mas as práticas que eles não entendem são mais difíceis, como a xereca satânica, por exemplo. Se perdermos essa oportunidade de acolhê-los, certamente outros conhecimentos e influências informarão as pessoas sobre o que se faz nas universidades. 

Enfim, podemos e devemos acolher as famílias para que elas compreendam a sua importância como uma rede de apoio indispensável aos alunos, mas também que possamos conversar sobre a experiência da transformação dos jovens adultos. É preciso tolerância com a transformação; é preciso abraçá-la ao invés de excluí-la. É como a propaganda do Fernando Pessoa para a coca-cola em Portugal: “Primeiro, estranha-se, depois entranha-se”.

Este seminário de acolhimento tem sido realizado virtualmente em razão da pandemia. Acompanhe nossas atividades pelo instagram do UFFamília.